Servidores municipais fazem grande manifestação em São José dos Campos

Governo Temer foi o principal alvo nos manifestantes no dia 15 de março

Escrito por: Redação - SindServ-SJC • Publicado em: 16/03/2017 - 15:58 Escrito por: Redação - SindServ-SJC Publicado em: 16/03/2017 - 15:58

Cerca de 600 servidores municipais de São José dos Campos paralisaram as atividades na manhã de quarta-feira (15) em protesto contra a Reforma da Previdência (PEC 287) e contra as respostas negativas do prefeito Felício Ramuth (PSDB).

Os funcionários públicos se reuniram as 7h na porta do Paço Municipal e por volta das 10h seguiram em passeata até a Praça Afonso Pena. Cerca de 60% das escolas municiais não funcionaram na parte da manhã, já na saúde, apesar da boa adesão, os atendimentos essenciais não foram interrompidos.

A paralisação foi convocada pelo Sindicato dos Servidores Municipais de SJC (SindServ-SJC) seguindo o ritmo das manifestações nacionais, que surpreenderam o país na quarta.

“Essa já é a terceira paralisação dos servidores joseenses em menos de 12 meses. Em 2016 foram duas greves e hoje fizemos apenas a primeira do ano. A boa adesão da categoria deixa claro que os funcionários públicos estão cansados de serem colocados sempre em segundo plano pelos governantes”, afirma Zelita Ramos, diretora do SindServ-SJC.

O governo Temer foi o principal alvo nos manifestantes no dia 15 de março. Frases como “Fora Temer” e “Reforma Não” foram repetidas pelos participantes durante o protesto.

“Uma das categorias mais prejudicadas com a Reforma da Previdência será justamente a de funcionários públicos. Por essa razão, nós servidores fomos as ruas pedir a saída do presidente ilegítimo Michel Temer e também cobrar os deputados federais da região, Eduardo Cury e Flavinho, para que votem contra a PEC 287”, conclui Zelita.
 

Título: Servidores municipais fazem grande manifestação em São José dos Campos, Conteúdo: Cerca de 600 servidores municipais de São José dos Campos paralisaram as atividades na manhã de quarta-feira (15) em protesto contra a Reforma da Previdência (PEC 287) e contra as respostas negativas do prefeito Felício Ramuth (PSDB). Os funcionários públicos se reuniram as 7h na porta do Paço Municipal e por volta das 10h seguiram em passeata até a Praça Afonso Pena. Cerca de 60% das escolas municiais não funcionaram na parte da manhã, já na saúde, apesar da boa adesão, os atendimentos essenciais não foram interrompidos. A paralisação foi convocada pelo Sindicato dos Servidores Municipais de SJC (SindServ-SJC) seguindo o ritmo das manifestações nacionais, que surpreenderam o país na quarta. “Essa já é a terceira paralisação dos servidores joseenses em menos de 12 meses. Em 2016 foram duas greves e hoje fizemos apenas a primeira do ano. A boa adesão da categoria deixa claro que os funcionários públicos estão cansados de serem colocados sempre em segundo plano pelos governantes”, afirma Zelita Ramos, diretora do SindServ-SJC. O governo Temer foi o principal alvo nos manifestantes no dia 15 de março. Frases como “Fora Temer” e “Reforma Não” foram repetidas pelos participantes durante o protesto. “Uma das categorias mais prejudicadas com a Reforma da Previdência será justamente a de funcionários públicos. Por essa razão, nós servidores fomos as ruas pedir a saída do presidente ilegítimo Michel Temer e também cobrar os deputados federais da região, Eduardo Cury e Flavinho, para que votem contra a PEC 287”, conclui Zelita.  



Informa CUT-SP

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.