Sarau LGBT celebra a diversidade no movimento sindical

Evento cultural, promovido pela CUT/SP, teve participação de ativistas e lançamento da cartilha que trata sobre a temática no mundo do trabalho

Escrito por: Rafael Silva - CUT São Paulo • Publicado em: 27/08/2016 - 13:54 Escrito por: Rafael Silva - CUT São Paulo Publicado em: 27/08/2016 - 13:54

Membros do Coletivo LGBT ao lado de Douglas Izzo, presidente da CUT/SP, e de Kelly Domingos, secretária de Políticas Sociais da entidade - Fotos: Dino SantosMembros do Coletivo LGBT ao lado de Douglas Izzo, presidente da CUT/SP, e de Kelly Domingos, secretária de Políticas Sociais da entidade - Fotos: Dino SantosNesta sexta-feira, 26, a CUT São Paulo realizou o 1º Sarau LGBT, um evento com dança, música, poesia e diferentes intervenções artísticas que compuseram uma noite não apenas festiva, mas de reflexão sobre os desafios de garantir o respeito à diversidade no Brasil, sobretudo no mundo do trabalho.

O sarau ocorreu na sede da entidade, na região central de São Paulo, e foi organizado pela Secretaria de Políticas Sociais, pelo Coletivo de Trabalhadores e Trabalhadoras LGBT e Coletivo de Cultura da CUT/SP. Na atividade, também houve o lançamento da 3ª edição da Cartilha LGBT, publicação que traz um aprofundamento da temática, apresentando conceitos, assim como orientações e informações para a organização dos trabalhadores e trabalhadoras LGBT.

“Fomos a primeira central a adotar a paridade de gênero na composição da direção e somos uma das mais combatentes na temática LGBT, levando essa discussão em nossos sindicatos e nas bases. Isso é uma avanço no mundo sindical e a cartilha ajudará nessa luta”, lembrou o presidente da CUT/SP, Douglas Izzo, durante a abertura do evento.

As atrações da noite foram apresentadas por membros do Coletivo LGBT -Gil Santos, da Central de Movimentos Populares (CMP) e Gil Sampaio, do Sindicato dos Trabalhadores das Autarquias de Fiscalização do Exercício Profissional e Entidades Coligadas no Estado de São Paulo (Sinsexpro)- e contou, entre outros, com artistas do coletivo de hip hop RCN, o grupo de dança do ventre da Escola Záfira, e a soprano Selma Maria, do Sindicato dos Trabalhadores Públicos na Saúde do Estado de São Paulo (SindSaúde-SP), que interpretou a 9ª sinfonia de Bethoveen nas versões em alemão e japonês.

Outro momento do evento foram as homenagens feitas a ativistas, sindicalistas e trabalhadores que contribuíram ou possuem uma trajetória na militância pelos direitos da população LGBT no movimento sindical.

“Esse é um momento de festa, de comemorar as conquistas, mas também de discutir os muitos desafios que a população LGBT ainda enfrenta nos locais de trabalho”, afirmou a secretária de Políticas Sociais, Kelly Domingos.

Coordenador do Coletivo LGBT, Walmir Siqueira disse que a nova publicação é uma ação de combate à LGBTfobia que deve ser utilizada por todos, independente da orientação sexual. “Essa cartilha é para ajudar as pessoas em seus espaços de trabalho a compreender as demandas e os desafios da população LGBT no mundo do trabalho”.

A situação política do País e os riscos de retrocesso nas políticas de direitos humanos foram pautados pelo público em diversos momentos, por meio de gritos de “Fora, Temer”. Lembraram também que neste mês, no dia 29, é celebrado o Dia Nacional da Visibilidade Lésbica.

Publicação
A Cartilha LGBT é um trabalho construído pela Secretaria de Políticas Sociais e pelos sindicatos e movimentos que integram o Coletivo de Trabalhadores e Trabalhadoras LGBT e pretende servir de ferramenta no aprofundamento das discussões sobre respeito e diversidade no mundo do trabalho.

A atualização do material agrega novos conceitos, dá maior destaque aos direitos conquistados e traz orientações e informações para a organização dos trabalhadores e trabalhadoras LGBT.

Para acessar a cartilha, as federações, sindicatos e subsedes precisam encaminhar mensagem para os e-mails sgeral@cutsp.org.br e polisociais@cutsp.org.br ou pelo telefone (11) 2108-9178. Também é possível baixar o material em PDF ao clicar aqui.⁠⁠⁠⁠ 

Título: Sarau LGBT celebra a diversidade no movimento sindical, Conteúdo: Nesta sexta-feira, 26, a CUT São Paulo realizou o 1º Sarau LGBT, um evento com dança, música, poesia e diferentes intervenções artísticas que compuseram uma noite não apenas festiva, mas de reflexão sobre os desafios de garantir o respeito à diversidade no Brasil, sobretudo no mundo do trabalho. O sarau ocorreu na sede da entidade, na região central de São Paulo, e foi organizado pela Secretaria de Políticas Sociais, pelo Coletivo de Trabalhadores e Trabalhadoras LGBT e Coletivo de Cultura da CUT/SP. Na atividade, também houve o lançamento da 3ª edição da Cartilha LGBT, publicação que traz um aprofundamento da temática, apresentando conceitos, assim como orientações e informações para a organização dos trabalhadores e trabalhadoras LGBT. “Fomos a primeira central a adotar a paridade de gênero na composição da direção e somos uma das mais combatentes na temática LGBT, levando essa discussão em nossos sindicatos e nas bases. Isso é uma avanço no mundo sindical e a cartilha ajudará nessa luta”, lembrou o presidente da CUT/SP, Douglas Izzo, durante a abertura do evento. As atrações da noite foram apresentadas por membros do Coletivo LGBT -Gil Santos, da Central de Movimentos Populares (CMP) e Gil Sampaio, do Sindicato dos Trabalhadores das Autarquias de Fiscalização do Exercício Profissional e Entidades Coligadas no Estado de São Paulo (Sinsexpro)- e contou, entre outros, com artistas do coletivo de hip hop RCN, o grupo de dança do ventre da Escola Záfira, e a soprano Selma Maria, do Sindicato dos Trabalhadores Públicos na Saúde do Estado de São Paulo (SindSaúde-SP), que interpretou a 9ª sinfonia de Bethoveen nas versões em alemão e japonês. Outro momento do evento foram as homenagens feitas a ativistas, sindicalistas e trabalhadores que contribuíram ou possuem uma trajetória na militância pelos direitos da população LGBT no movimento sindical. “Esse é um momento de festa, de comemorar as conquistas, mas também de discutir os muitos desafios que a população LGBT ainda enfrenta nos locais de trabalho”, afirmou a secretária de Políticas Sociais, Kelly Domingos. Coordenador do Coletivo LGBT, Walmir Siqueira disse que a nova publicação é uma ação de combate à LGBTfobia que deve ser utilizada por todos, independente da orientação sexual. “Essa cartilha é para ajudar as pessoas em seus espaços de trabalho a compreender as demandas e os desafios da população LGBT no mundo do trabalho”. A situação política do País e os riscos de retrocesso nas políticas de direitos humanos foram pautados pelo público em diversos momentos, por meio de gritos de “Fora, Temer”. Lembraram também que neste mês, no dia 29, é celebrado o Dia Nacional da Visibilidade Lésbica. Publicação A Cartilha LGBT é um trabalho construído pela Secretaria de Políticas Sociais e pelos sindicatos e movimentos que integram o Coletivo de Trabalhadores e Trabalhadoras LGBT e pretende servir de ferramenta no aprofundamento das discussões sobre respeito e diversidade no mundo do trabalho. A atualização do material agrega novos conceitos, dá maior destaque aos direitos conquistados e traz orientações e informações para a organização dos trabalhadores e trabalhadoras LGBT. Para acessar a cartilha, as federações, sindicatos e subsedes precisam encaminhar mensagem para os e-mails sgeral@cutsp.org.br e polisociais@cutsp.org.br ou pelo telefone (11) 2108-9178. Também é possível baixar o material em PDF ao clicar aqui.⁠⁠⁠⁠ 



Informa CUT-SP

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.