Raymundo Antônio Pereira, presente!

Trabalhador metroviário deixa como legado sua trajetória de lutas no movimento sindical

Escrito por: CUT São Paulo • Última modificação: 09/02/2018 - 13:12 • Publicado em: 09/02/2018 - 13:08 Escrito por: CUT São Paulo Publicado em: 09/02/2018 - 13:08 Última modificação: 09/02/2018 - 13:12

Reprodução

A Central Única dos Trabalhadores de São Paulo acaba de perder o grande companheiro de luta Raymundo Antônio Pereira. Aos 72, o trabalhador metroviário deixa como legado uma história de luta e de participação junto à categoria.

Sua morte ocorreu na madrugada desta sexta-feira (9), em decorrência de uma cirurgia de coração. Raymundão, como era chamado, não resistiu ao pós-operatório.

Pai de Ewerton, Nice e Gabriel e esposo da companheira Jane, ele entrou para trabalhar no Metrô de São Paulo na década de 1980, tendo atuado anos antes como metalúrgico na Mercedes-Benz. Também fez parte da construção do Partido dos Trabalhadores e da CUT.

O velório ocorre no sindicato de sua categoria, das 8h às 14h, na Rua Serra do Japi, 31, no Tatuapé, zona leste de São Paulo.

A CUT-SP sente a grande perda e presta solidariedade à família. Sua trajetória de luta ficará marcada e servirá como exemplo para o movimento sindical. 

São Paulo, 9 de fevereiro de 2018
CUT São Paulo

Título: Raymundo Antônio Pereira, presente!, Conteúdo: A Central Única dos Trabalhadores de São Paulo acaba de perder o grande companheiro de luta Raymundo Antônio Pereira. Aos 72, o trabalhador metroviário deixa como legado uma história de luta e de participação junto à categoria. Sua morte ocorreu na madrugada desta sexta-feira (9), em decorrência de uma cirurgia de coração. Raymundão, como era chamado, não resistiu ao pós-operatório. Pai de Ewerton, Nice e Gabriel e esposo da companheira Jane, ele entrou para trabalhar no Metrô de São Paulo na década de 1980, tendo atuado anos antes como metalúrgico na Mercedes-Benz. Também fez parte da construção do Partido dos Trabalhadores e da CUT. O velório ocorre no sindicato de sua categoria, das 8h às 14h, na Rua Serra do Japi, 31, no Tatuapé, zona leste de São Paulo. A CUT-SP sente a grande perda e presta solidariedade à família. Sua trajetória de luta ficará marcada e servirá como exemplo para o movimento sindical.  São Paulo, 9 de fevereiro de 2018 CUT São Paulo