Na primeira rodada de negociação, Energisa não apresenta proposta

Sinergia CUT inicia campanha salarial 2017

Escrito por: Débora Piloni - Sinergia CUT • Publicado em: 06/04/2017 - 23:18 Escrito por: Débora Piloni - Sinergia CUT Publicado em: 06/04/2017 - 23:18

Arte: Bira DantasArte: Bira DantasAconteceu na tarde de terça-feira (4), a abertura de negociação da Campanha Salarial 2017 entre o Sinergia CUT e a Energisa, que tem data-base em abril. Como já era de se esperar, a crise entrou na sala para negociar junto com a empresa, que ressaltou, logo de início, o momento econômico pelo qual o país está passando e os reflexos que poderão atingir as negociações deste ano.

O Sinergia CUT, por sua vez, desconsiderou a choradeira e discorreu, ponto a ponto, a pauta de reivindicações dos trabalhadores. “Cobramos também os números finais da PLR, que a empresa havia se comprometido a trazer nesta reunião”, afirmou a direção do Sindicato.

Sem proposta nesta reunião, foi apresentado apenas o calendário das próximas rodadas:

18/04, em Presidente Prudente
25/04, em Curitiba
02/05, em Campinas (caso necessário).

Terceirização
O Sindicato também tem sensibilizado a categoria sobre os ataques do governo Temer aos direitos dos trabalhadores. Em vídeo, o dirigente Carlos Alberto Alves explica o que pode ocorrer se não houver mobilização.

Título: Na primeira rodada de negociação, Energisa não apresenta proposta, Conteúdo: Aconteceu na tarde de terça-feira (4), a abertura de negociação da Campanha Salarial 2017 entre o Sinergia CUT e a Energisa, que tem data-base em abril. Como já era de se esperar, a crise entrou na sala para negociar junto com a empresa, que ressaltou, logo de início, o momento econômico pelo qual o país está passando e os reflexos que poderão atingir as negociações deste ano. O Sinergia CUT, por sua vez, desconsiderou a choradeira e discorreu, ponto a ponto, a pauta de reivindicações dos trabalhadores. “Cobramos também os números finais da PLR, que a empresa havia se comprometido a trazer nesta reunião”, afirmou a direção do Sindicato. Sem proposta nesta reunião, foi apresentado apenas o calendário das próximas rodadas: 18/04, em Presidente Prudente 25/04, em Curitiba 02/05, em Campinas (caso necessário). Terceirização O Sindicato também tem sensibilizado a categoria sobre os ataques do governo Temer aos direitos dos trabalhadores. Em vídeo, o dirigente Carlos Alberto Alves explica o que pode ocorrer se não houver mobilização.



Informa CUT-SP

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.