Metalúrgicos do ABC voltam às urnas para o 2° turno da eleição sindical

Mais de 31 mil sócios votarão nas 134 urnas, sendo 21 delas itinerantes. Poderão votar os trabalhadores que ficaram sócios do Sindicato até 27 de outubro do ano passado

Escrito por: • Publicado em: 18/04/2017 - 18:10 Escrito por: Publicado em: 18/04/2017 - 18:10

Foto: Adonis GuerraFoto: Adonis GuerraOs metalúrgicos do ABC retornam às urnas hoje e amanhã, em 2º turno, para eleger o Conselho da Executiva da Direção do Sindicato, incluindo o presidente, mais três titulares do Conselho Fiscal e três suplentes.

Os mais de 31 mil sócios votarão nas 134 urnas, sendo 21 delas itinerantes. Poderão votar os trabalhadores que ficaram sócios do Sindicato até 27 de outubro do ano passado.

Com o objetivo de convocar para as eleições e também para a Greve Geral do próximo dia 28 contra as reformas da Previdência, Trabalhista e a Lei de Terceirização, os dirigentes seguem realizando assembleias nas portas das fábricas.

Na manhã da última quinta-feira, dia 13, o secretário-geral do Sindicato e candidato à Presidência, Wagner Santana, o Wagnão, conversou com os companheiros na Apis Delta, em Diadema.

“Acabamos de ver a Lei de Terceirização ser aprovada, com ela o trabalhador passa a ser coisa, uma peça, essa lei está diretamente ligada à reforma Trabalhista”, alertou.

Wagnão contestou o discurso sobre o déficit da Previdência. “O governo quer que o trabalhador pague previdência privada, porque precisa acertar as contas com o sistema financeiro”.

“É hora de lutarmos pelos nossos direitos e das gerações futuras, por isso dia 28 é Greve Geral neste País, um dia de luta por um mundo mais justo”, convocou.

Durante a assembleia na Apis Delta, a secretária da Mulher da Federação Estadual dos Metalúrgicos da CUT, a FEM-CUT, Andrea Ferreira de Sousa, a Nega, alertou sobre o pacote de maldades do governo Temer que atinge em cheio as mulheres.

“A proposta de igualar a idade mínima para a aposentadoria entre homens e mulheres desconsidera a dupla jornada que temos e o salário inferior que recebemos na média brasileira”, criticou a dirigente.

Mobilização na Toledo
Na manhã de ontem, foi realizada assembleia com os trabalhadores na Toledo, em São Bernardo. “A Lei de Terceirização vem com o discurso falso da especialização do serviço, mas na verdade significa precarização”, afirmou o vice-presidente do Sindicato, Aroaldo Oliveira da Silva.

Aroaldo explicou o trabalho intermitente, quando a empresa paga o trabalhador apenas pelas horas trabalhadas, que passará a ser permitido, caso a reforma Trabalhista seja aprovada.

“Se, por exemplo, faltar material para dar sequência à produção e o trabalhador ficar algumas horas aguardando o material chegar ou uma máquina voltar a funcionar, a empresa não precisará pagar por essas horas”.

“Combater essas reformas é uma das tarefas da Direção, que já arregaçou as mangas e está à frente desta luta. Jamais podemos baixar a guarda”, afirmou o diretor do Sindicato e CSE na Toledo, José Caitano de Lima, o Caitano.

Título: Metalúrgicos do ABC voltam às urnas para o 2° turno da eleição sindical, Conteúdo: Os metalúrgicos do ABC retornam às urnas hoje e amanhã, em 2º turno, para eleger o Conselho da Executiva da Direção do Sindicato, incluindo o presidente, mais três titulares do Conselho Fiscal e três suplentes. Os mais de 31 mil sócios votarão nas 134 urnas, sendo 21 delas itinerantes. Poderão votar os trabalhadores que ficaram sócios do Sindicato até 27 de outubro do ano passado. Com o objetivo de convocar para as eleições e também para a Greve Geral do próximo dia 28 contra as reformas da Previdência, Trabalhista e a Lei de Terceirização, os dirigentes seguem realizando assembleias nas portas das fábricas. Na manhã da última quinta-feira, dia 13, o secretário-geral do Sindicato e candidato à Presidência, Wagner Santana, o Wagnão, conversou com os companheiros na Apis Delta, em Diadema. “Acabamos de ver a Lei de Terceirização ser aprovada, com ela o trabalhador passa a ser coisa, uma peça, essa lei está diretamente ligada à reforma Trabalhista”, alertou. Wagnão contestou o discurso sobre o déficit da Previdência. “O governo quer que o trabalhador pague previdência privada, porque precisa acertar as contas com o sistema financeiro”. “É hora de lutarmos pelos nossos direitos e das gerações futuras, por isso dia 28 é Greve Geral neste País, um dia de luta por um mundo mais justo”, convocou. Durante a assembleia na Apis Delta, a secretária da Mulher da Federação Estadual dos Metalúrgicos da CUT, a FEM-CUT, Andrea Ferreira de Sousa, a Nega, alertou sobre o pacote de maldades do governo Temer que atinge em cheio as mulheres. “A proposta de igualar a idade mínima para a aposentadoria entre homens e mulheres desconsidera a dupla jornada que temos e o salário inferior que recebemos na média brasileira”, criticou a dirigente. Mobilização na Toledo Na manhã de ontem, foi realizada assembleia com os trabalhadores na Toledo, em São Bernardo. “A Lei de Terceirização vem com o discurso falso da especialização do serviço, mas na verdade significa precarização”, afirmou o vice-presidente do Sindicato, Aroaldo Oliveira da Silva. Aroaldo explicou o trabalho intermitente, quando a empresa paga o trabalhador apenas pelas horas trabalhadas, que passará a ser permitido, caso a reforma Trabalhista seja aprovada. “Se, por exemplo, faltar material para dar sequência à produção e o trabalhador ficar algumas horas aguardando o material chegar ou uma máquina voltar a funcionar, a empresa não precisará pagar por essas horas”. “Combater essas reformas é uma das tarefas da Direção, que já arregaçou as mangas e está à frente desta luta. Jamais podemos baixar a guarda”, afirmou o diretor do Sindicato e CSE na Toledo, José Caitano de Lima, o Caitano.



Informa CUT-SP

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.