CUT vai às ruas nesta sexta (27) contra fechamento de escolas

Dirigentes criticam uso dos aparatos policiais para pressionar trabalhadores e população

Escrito por: Vanessa Ramos - CUT São Paulo • Publicado em: 26/11/2015 - 18:29 Escrito por: Vanessa Ramos - CUT São Paulo Publicado em: 26/11/2015 - 18:29

A CUT São Paulo estará ao lado de estudantes, professores e representantes dos movimentos sociais nesta sexta-feira (27), na capital paulista, para defender a mobilização dos alunos em defesa das escolas públicas.

O dia contra a ‘desorganização’ da rede estadual de ensino em São Paulo começa com uma assembleia convocada pelo Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), às 14h, no vão livre do Museu de Arte de São Paulo (Masp), na Avenida Paulista.

Após a assembleia haverá uma manifestação em defesa da educação pública. Os sindicatos cutistas e os movimentos sociais são contrários à medida proposta pelo governo de Geraldo Alckmin (PSDB) que pretende, em 2016, dividir as unidades em três grupos (anos iniciais e finais dos ensinos fundamental e médio), de acordo com o ciclo escolar.

Até esta quinta-feira (26), 191 escolas estão ocupadas em protesto contra o governo paulista.

O presidente da CUT São Paulo, Douglas Izzo, lembra que 311 mil alunos serão afetados. “O movimento por uma educação de qualidade cresce a cada dia em São Paulo, mas o governo, ao invés de conversar com a população, tem usado a polícia e métodos da ditadura militar para ameaçar estudantes para desocupação e, inclusive, professores e funcionários de demissão”.

A presidenta do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), Maria Izabel Azevedo Noronha, tem feito inúmeras criticas nas redes sociais. "O governador mandou cortar o fornecimento d’água das escolas ocupadas e envia a todo momento a Polícia Militar para fazer intimidações e até invadir algumas unidades escolares, sem que tenham mandado para isto”, relata. 

Título: CUT vai às ruas nesta sexta (27) contra fechamento de escolas, Conteúdo: A CUT São Paulo estará ao lado de estudantes, professores e representantes dos movimentos sociais nesta sexta-feira (27), na capital paulista, para defender a mobilização dos alunos em defesa das escolas públicas. O dia contra a ‘desorganização’ da rede estadual de ensino em São Paulo começa com uma assembleia convocada pelo Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), às 14h, no vão livre do Museu de Arte de São Paulo (Masp), na Avenida Paulista. Após a assembleia haverá uma manifestação em defesa da educação pública. Os sindicatos cutistas e os movimentos sociais são contrários à medida proposta pelo governo de Geraldo Alckmin (PSDB) que pretende, em 2016, dividir as unidades em três grupos (anos iniciais e finais dos ensinos fundamental e médio), de acordo com o ciclo escolar. Até esta quinta-feira (26), 191 escolas estão ocupadas em protesto contra o governo paulista. O presidente da CUT São Paulo, Douglas Izzo, lembra que 311 mil alunos serão afetados. “O movimento por uma educação de qualidade cresce a cada dia em São Paulo, mas o governo, ao invés de conversar com a população, tem usado a polícia e métodos da ditadura militar para ameaçar estudantes para desocupação e, inclusive, professores e funcionários de demissão”. A presidenta do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), Maria Izabel Azevedo Noronha, tem feito inúmeras criticas nas redes sociais. "O governador mandou cortar o fornecimento d’água das escolas ocupadas e envia a todo momento a Polícia Militar para fazer intimidações e até invadir algumas unidades escolares, sem que tenham mandado para isto”, relata. 



Informa CUT-SP

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.