Comerciários de Osasco realizam seminário sobre a manipulação da grande mídia

Participantes trataram do poder da imprensa alternativa na luta dos trabalhadores

Escrito por: Secor • Publicado em: 23/06/2017 - 11:58 Escrito por: Secor Publicado em: 23/06/2017 - 11:58

Secor

Nesta quarta-feira, 21, o Sindicato dos Comerciários de Osasco e Região (Secor) realizou, no Teatro Municipal Glória Giglio, o seminário “Comunicação: ferramenta de mobilização e resistência dos trabalhadores”, que contou com a presença de, aproximadamente, 300 pessoas, entre sindicalistas, centrais sindicais, partidos, estudantes, autoridades e personalidades da região.

Para enriquecer o discurso, o Secor convidou grandes nomes atuais da luta pelos trabalhadores e pela democracia, sendo eles o membro da Coordenação Nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) e da Frente Povo Sem Medo, Guilherme Boulos; o jornalista, blogueiro e coordenador do Centro de Estudos de Mídia Barão de Itararé e autor do livro “A ditadura da mídia”, Altamiro Borges; e a autora do blog Maria Frô, Conceição Oliveira.  

Cartel da comunicação no Brasil e senso crítico

Na palestra sobre a comunicação dos trabalhadores e a relação com a mídia, Altamiro falou sobre o cartel da comunicação no Brasil e a falta de espaço popular dentro da imprensa. “A mídia brasileira devia copiar o que há de bom na mídia dos Estados Unidos. Por exemplo, é proibido por lei cartel na comunicação, o que se chama de propriedade cruzada. Uma mesma empresa não pode ter TV aberta, TV fechada, rádio AM, Rádio FM, revista, jornal, internet, cinema. Isso é proibido nos EUA, aqui no Brasil só tem isso”, explicou. Altamiro também alertou sobre o discurso homogêneo da grande imprensa e a alienação da população. “Se a Globo disser uma coisa, eu penso outra. A gente tem que ter mais espírito crítico diante da mídia. O que vir dela, é bom estar com o pé atrás para não servir de massa de manobra e não reproduzir o discurso dominante”.  Divulgação/SecorDivulgação/Secor

Manipulação da grande mídia e o poder da mídia alternativa

Por sua vez, falando sobre o poder dos blogs na comunicação alternativa, Conceição analisou as estratégias da grande imprensa para destruir a luta dos sindicatos e movimentos sociais. “A estratégia da mídia hoje é destruir nossa narrativa, então eles nos criminalizam. A greve do dia 28 é um bom exemplo para a gente perceber esse movimento. Segundo eles, não há greve, mas baderna generalizada. Eles não mostraram, por exemplo, o Largo da Batata, em São Paulo, que mesmo sem transporte, recebeu 70 mil pessoas. Ou em Recife, uma coisa enlouquecida, que levou 200 mil pessoas para a rua”, afirmou.

A autora do famoso blog Maria Frô falou ainda sobre a importância do apoio da população à mídia alternativa e como atingir cada vez mais gente através da rede. “A primeira questão que a gente tem que pensar em termos de comunicação na rede é a comunicação para portabilidade. Por que o Mídia Ninja faz tanto sucesso? Ele entra no Facebook ao vivo e a gente vê rapidinho no celular. A comunicação hoje, principalmente pela rede para atingir mais gente, tem que ser pensada para smartphones”.  

Movimentos sociais e a mensagem que movimenta

Guilherme Boulos finalizou as palestras da noite falando sobre a impopularidade do governo Temer e as medidas propostas de acordo com o interesse da elite brasileira. “Só um governo como esse poderia aplicar as medidas que está aplicando. Um governo que não foi eleito, que não pretende reeleição, que pode ter só 3% de aprovação e continuar governando. Não tem mais para onde cair! Botaram em pauta a reforma da previdência e a trabalhista e já está muito claro o que elas significam do ponto de vista de destruição de direitos e inviabilidade de sobrevivência da classe trabalhadora. Vale lembrar que eles já aprovaram a terceirização, o ponto que mais interessava para os grandes empresários. Esses três pontos significam, na prática, que essa turma em um ano de golpe fez ruir os principais pactos sociais firmados no Brasil no último século”, afirmou Boulos.

Ao final de sua palestra, ainda reforçou a convocação para a greve geral prevista para a sexta-feira, dia 30. “Que a gente faça uma excelente greve no dia 30. Que a gente consiga novamente parar esse país. Aqui em Osasco, o dia 28 foi muito forte! Que vocês tenham a força necessária para repetir a dose e que a gente consiga barrar a aprovação dessas Reformas”.  

O presidente do Secor, José Pereira da Silva Neto, e o diretor de comunicação do Sindicato, Carlos Alberto de Sousa, agradecem a presença de todos os palestrantes e do público no evento. “Levamos informação de qualidade para todos que estavam presentes! Agradecemos ainda a figura do secretário de Cultura de Osasco, Gustavo Anitelli, que cedeu o Teatro Municipal para a realização deste evento”, finalizou Neto.

Título: Comerciários de Osasco realizam seminário sobre a manipulação da grande mídia, Conteúdo: Nesta quarta-feira, 21, o Sindicato dos Comerciários de Osasco e Região (Secor) realizou, no Teatro Municipal Glória Giglio, o seminário “Comunicação: ferramenta de mobilização e resistência dos trabalhadores”, que contou com a presença de, aproximadamente, 300 pessoas, entre sindicalistas, centrais sindicais, partidos, estudantes, autoridades e personalidades da região. Para enriquecer o discurso, o Secor convidou grandes nomes atuais da luta pelos trabalhadores e pela democracia, sendo eles o membro da Coordenação Nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) e da Frente Povo Sem Medo, Guilherme Boulos; o jornalista, blogueiro e coordenador do Centro de Estudos de Mídia Barão de Itararé e autor do livro “A ditadura da mídia”, Altamiro Borges; e a autora do blog Maria Frô, Conceição Oliveira.   Cartel da comunicação no Brasil e senso crítico Na palestra sobre a comunicação dos trabalhadores e a relação com a mídia, Altamiro falou sobre o cartel da comunicação no Brasil e a falta de espaço popular dentro da imprensa. “A mídia brasileira devia copiar o que há de bom na mídia dos Estados Unidos. Por exemplo, é proibido por lei cartel na comunicação, o que se chama de propriedade cruzada. Uma mesma empresa não pode ter TV aberta, TV fechada, rádio AM, Rádio FM, revista, jornal, internet, cinema. Isso é proibido nos EUA, aqui no Brasil só tem isso”, explicou. Altamiro também alertou sobre o discurso homogêneo da grande imprensa e a alienação da população. “Se a Globo disser uma coisa, eu penso outra. A gente tem que ter mais espírito crítico diante da mídia. O que vir dela, é bom estar com o pé atrás para não servir de massa de manobra e não reproduzir o discurso dominante”.   Manipulação da grande mídia e o poder da mídia alternativa Por sua vez, falando sobre o poder dos blogs na comunicação alternativa, Conceição analisou as estratégias da grande imprensa para destruir a luta dos sindicatos e movimentos sociais. “A estratégia da mídia hoje é destruir nossa narrativa, então eles nos criminalizam. A greve do dia 28 é um bom exemplo para a gente perceber esse movimento. Segundo eles, não há greve, mas baderna generalizada. Eles não mostraram, por exemplo, o Largo da Batata, em São Paulo, que mesmo sem transporte, recebeu 70 mil pessoas. Ou em Recife, uma coisa enlouquecida, que levou 200 mil pessoas para a rua”, afirmou. A autora do famoso blog Maria Frô falou ainda sobre a importância do apoio da população à mídia alternativa e como atingir cada vez mais gente através da rede. “A primeira questão que a gente tem que pensar em termos de comunicação na rede é a comunicação para portabilidade. Por que o Mídia Ninja faz tanto sucesso? Ele entra no Facebook ao vivo e a gente vê rapidinho no celular. A comunicação hoje, principalmente pela rede para atingir mais gente, tem que ser pensada para smartphones”.   Movimentos sociais e a mensagem que movimenta Guilherme Boulos finalizou as palestras da noite falando sobre a impopularidade do governo Temer e as medidas propostas de acordo com o interesse da elite brasileira. “Só um governo como esse poderia aplicar as medidas que está aplicando. Um governo que não foi eleito, que não pretende reeleição, que pode ter só 3% de aprovação e continuar governando. Não tem mais para onde cair! Botaram em pauta a reforma da previdência e a trabalhista e já está muito claro o que elas significam do ponto de vista de destruição de direitos e inviabilidade de sobrevivência da classe trabalhadora. Vale lembrar que eles já aprovaram a terceirização, o ponto que mais interessava para os grandes empresários. Esses três pontos significam, na prática, que essa turma em um ano de golpe fez ruir os principais pactos sociais firmados no Brasil no último século”, afirmou Boulos. Ao final de sua palestra, ainda reforçou a convocação para a greve geral prevista para a sexta-feira, dia 30. “Que a gente faça uma excelente greve no dia 30. Que a gente consiga novamente parar esse país. Aqui em Osasco, o dia 28 foi muito forte! Que vocês tenham a força necessária para repetir a dose e que a gente consiga barrar a aprovação dessas Reformas”.   O presidente do Secor, José Pereira da Silva Neto, e o diretor de comunicação do Sindicato, Carlos Alberto de Sousa, agradecem a presença de todos os palestrantes e do público no evento. “Levamos informação de qualidade para todos que estavam presentes! Agradecemos ainda a figura do secretário de Cultura de Osasco, Gustavo Anitelli, que cedeu o Teatro Municipal para a realização deste evento”, finalizou Neto.



Informa CUT-SP

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.