CNM/CUT: Metalúrgicos devem se mobilizar em defesa das diretas já

sindicatos devem fortalecer ações nas fábricas para convocar trabalhadores a sair às ruas

Escrito por: Redação CNM/CUT • Publicado em: 19/05/2017 - 12:39 Escrito por: Redação CNM/CUT Publicado em: 19/05/2017 - 12:39

Divulgação Manifestação na Mercedes Benz

O presidente da Confederação Nacional dos Metalúrgicos da CUT (CNM/CUT), Paulo Cayres, está orientando os sindicatos e federações de metalúrgicos cutistas a intensificarem a mobilização da categoria em todo o país em defesa da convocação imediata de eleições diretas para presidente. "O aprofundamento da crise, com a delação da JBS, mostra que só resgatando a democracia por meio das diretas já é que iremos interromper o golpe e impedir que a agenda de ataques aos direitos dos trabalhadores tenha sequência no Congresso Nacional", assinalou.

Cayres recordou que o golpe contra o mandato da presidenta Dilma Rousseff foi articulado justamente para acabar com os direitos trabalhistas e a aposentadoria e as políticas sociais inclusivas. "Não podemos permitir que os golpistas continuem dando as cartas e sangrando o país, como estão fazendo desde 2014, quando Dilma foi reeleita. Estamos assistindo o resultado deste desmonte, com a lei da terceirização, a PEC que limita gastos públicos e a tentativa de impor as reformas trabalhista e da Previdência por esse Congresso Nacional que está a serviço dos grandes grupos empresariais e financeiros", afirmou.

O presidente da CNM/CUT informou que na manhã de quinta-feira, 18, o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC deu início a uma série de assembleias nas fábricas da base para envolver os trabalhadores na luta por diretas já e contra as reformas, pedindo às entidades que adotem estratégias semelhantes. "Além disso, vamos convocá-los para as grandes manfestações públicas organizadas pela CUT e as Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, e que vão acontecer domingo (21) em todas as capitais, sem esquecer do grande movimento Ocupa Brasília, marcado para o dia 24. Em defesa da democracia, por nenhum direito a menos, diretas já!", conclamnou Paulo Cayres.

Título: CNM/CUT: Metalúrgicos devem se mobilizar em defesa das diretas já, Conteúdo: O presidente da Confederação Nacional dos Metalúrgicos da CUT (CNM/CUT), Paulo Cayres, está orientando os sindicatos e federações de metalúrgicos cutistas a intensificarem a mobilização da categoria em todo o país em defesa da convocação imediata de eleições diretas para presidente. O aprofundamento da crise, com a delação da JBS, mostra que só resgatando a democracia por meio das diretas já é que iremos interromper o golpe e impedir que a agenda de ataques aos direitos dos trabalhadores tenha sequência no Congresso Nacional, assinalou. Cayres recordou que o golpe contra o mandato da presidenta Dilma Rousseff foi articulado justamente para acabar com os direitos trabalhistas e a aposentadoria e as políticas sociais inclusivas. Não podemos permitir que os golpistas continuem dando as cartas e sangrando o país, como estão fazendo desde 2014, quando Dilma foi reeleita. Estamos assistindo o resultado deste desmonte, com a lei da terceirização, a PEC que limita gastos públicos e a tentativa de impor as reformas trabalhista e da Previdência por esse Congresso Nacional que está a serviço dos grandes grupos empresariais e financeiros, afirmou. O presidente da CNM/CUT informou que na manhã de quinta-feira, 18, o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC deu início a uma série de assembleias nas fábricas da base para envolver os trabalhadores na luta por diretas já e contra as reformas, pedindo às entidades que adotem estratégias semelhantes. Além disso, vamos convocá-los para as grandes manfestações públicas organizadas pela CUT e as Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, e que vão acontecer domingo (21) em todas as capitais, sem esquecer do grande movimento Ocupa Brasília, marcado para o dia 24. Em defesa da democracia, por nenhum direito a menos, diretas já!, conclamnou Paulo Cayres.



Informa CUT-SP

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.