Central critica possibilidade de fusão de secretarias

Pastas de Promoção da Igualdade Racial e de Políticas para Mulheres devem ser preservadas

Escrito por: Executiva Nacional da CUT • Publicado em: 25/09/2015 - 11:42 Escrito por: Executiva Nacional da CUT Publicado em: 25/09/2015 - 11:42

A criação da SEPPIR (Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial) e da SPM (Secretaria de Políticas para as Mulheres) foi um movimento histórico pelo reconhecimento das necessidades e demandas de mulheres e negros e serviram de base para criar políticas para diminuir a imensa desigualdade de gênero e raça existente no Brasil.

A perspectiva de fusão dessas pastas é um retrocesso que levará ao fim de organismos que simbolica e politicamente formulam e implementam políticas públicas demandadas por estes grupos.

Enfrentar a crise significa reconhecer as necessidades da população, conforme sua inserção na sociedade. A desigualdade de negros e mulheres é um dos problemas estruturais do Brasil e as políticas transversais de gênero e igualdade racial são importantes para o desenvolvimento econômico destes grupos.

Estes ministérios são muito importantes para efetivar políticas transversais e extingui-los equivale a reduzir a força de políticas que tenham eficácia, além de representar um retrocesso para os Direitos Humanos no Brasil.

Em 2014 a classe trabalhadora deste país foi às ruas e as urnas, para defender e reeleger este projeto, confiantes de manter e ampliar as conquistas obtidas nestes 12 anos iniciadas com o governo do Presidente Lula. Estas políticas são parte das demandas históricas dos movimentos sindical e social e precisam ser fortalecidas e não podem ser enfraquecidas, principalmente em momentos de crise.

Neste sentido, nós mulheres e negros da Central Única dos Trabalhadores reafirmamos que a fusão destes ministérios é um retrocesso na história do nosso povo.

Direção Executiva da CUT Nacional 

Título: Central critica possibilidade de fusão de secretarias, Conteúdo: A criação da SEPPIR (Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial) e da SPM (Secretaria de Políticas para as Mulheres) foi um movimento histórico pelo reconhecimento das necessidades e demandas de mulheres e negros e serviram de base para criar políticas para diminuir a imensa desigualdade de gênero e raça existente no Brasil. A perspectiva de fusão dessas pastas é um retrocesso que levará ao fim de organismos que simbolica e politicamente formulam e implementam políticas públicas demandadas por estes grupos. Enfrentar a crise significa reconhecer as necessidades da população, conforme sua inserção na sociedade. A desigualdade de negros e mulheres é um dos problemas estruturais do Brasil e as políticas transversais de gênero e igualdade racial são importantes para o desenvolvimento econômico destes grupos. Estes ministérios são muito importantes para efetivar políticas transversais e extingui-los equivale a reduzir a força de políticas que tenham eficácia, além de representar um retrocesso para os Direitos Humanos no Brasil. Em 2014 a classe trabalhadora deste país foi às ruas e as urnas, para defender e reeleger este projeto, confiantes de manter e ampliar as conquistas obtidas nestes 12 anos iniciadas com o governo do Presidente Lula. Estas políticas são parte das demandas históricas dos movimentos sindical e social e precisam ser fortalecidas e não podem ser enfraquecidas, principalmente em momentos de crise. Neste sentido, nós mulheres e negros da Central Única dos Trabalhadores reafirmamos que a fusão destes ministérios é um retrocesso na história do nosso povo. Direção Executiva da CUT Nacional 



Informa CUT-SP

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.